O QUINTAL

(Gi Sposito 
)

.

O cenário é o quintal de casa, ansiosa para te receber. Escuto o portão se abrir, disfarço e já tiro a calcinha. Já estou com aquele vestidinho que te deixa louco. Há mais pessoas em casa, mas te recebo no quintal. 

Ali num abraço apertado, você desliza a mão pela cintura e vai até minha bunda. E sente que estou sem nada por baixo do vestido. Acaricia minha bunda, com a mão firme dedilha até meu clitóris e suavemente enfia o dedo. Ela escorre de tesão!

Você me acocha contra a parede, isso me deixa loucamente excitada.

Vai beijando meu pescoço, enchendo sua mão com meus seios e logo desce com sua boca carnuda. Respirações ofegantes, porém com todo controle para que ninguém escute, trocamos poucas palavras para tentar disfarçar. 

Mas ali, a beijando e chupando com toda fome da minha buceta, sente minhas pernas enfraquecerem de desejo.

Quando estou quase gozando, se levanta e me vira pra me pegar de costas, tentamos meter forte e ocultar o som.

Alguns sustos com os passos pela casa, só nos dá mais adrenalina e vontade de meter gostoso. 

Quando esfrega seus dedos na minha bucetinha, sente que transpira de tesão. Não aguento mais o toque é mais forte do que consigo segurar. Vou para o ápice da vontade e entrelaçando meus braços em seu pescoço, esfrego minha bunda rebolando e então gozo. Sua mão sente todo desejo que há nela. E logo você solta um gemido que finalizou seu tesão. 

Se estas paredes falassem...