QUE VOZ GOSTOSA QUE TU TEM!

IMAGINA GEMENDO!

Você me encaminha esses áudios de propósito, né? Eu sei. Sei que você faz esse sussurro, essa coisa sexy, uma pegada de "tô rouco de tanto cantar no trânsito". É por querer. Só pra me fazer encostar a orelha no telefone, te ouvir falando essas besteiras provocantes.

Quer saber como eu fico, me dizer o que fazer. Manda uma foto, encaminha mais uns áudios.

Eu vejo o "gravando..." e já me arrepio. Você sabe!

E imagino mais. Imagino você gemendo até. Essa voz aveludada quando quer, poderosa se precisa, mansa se decide ser.

Adoro quando você descreve putaria. Quando você me conta o que está fazendo ainda que seja madrugada e saiba que eu já fui dormir há tempos. Cheguei a ter minhas dúvidas sobre pra quem eram as homenagens, mas a descrição, o jeito como relembra as conversas e, mais, os encontros, só me instigam e me fazem querer cada vez mais.

Na primeira vez que ouvi, pensei: imagina gemendo.

Quando ouvi "ao vivo", foi bem melhor. Melhor do que sonho. E olha que eu já tinha fantasiado bastante.

Entendi quando finalmente disse "tudo que trocamos por aqui será pouco perto do que seremos juntos". Fiquei meio pé atrás, claro. Como saber? Mas lá veio você com toda a sua certeza do que queria e com todo o seu conhecimento próprio (do que fazer para si e do que fazer comigo) que só fiz te deixar me levar. Para onde e como quisesse. E aquele "faz o que quiser comigo" foi uma das maiores verdades que já disse, como na hora em que alguém pergunta meu nome. A mesma naturalidade, vontade e desejo.

E o mais engraçado é que você me fez ver um lado do sexo que nunca havia conhecido bem antes: o da criatividade. Não de posições ou afins, mas o de querer, de completar lacunas, de reviver momentos e projetar os próximos, até de imaginar um kama-sutra inteiro. Algo que não precisa de palavrões ou sujeira (ainda que sexo assim seja) ou vocabulário chulo.

Aprendi com essa voz (que imagino gemendo) que sexo é potencializado com aquilo que ele faz na nossa cabeça. Ou ouvido.