Às vezes eu fico admirada com o tanto de besteira que a imaginação consegue pensar em pouco tempo. Se houvesse um concurso, talvez ganhasse. E sabe quando você olha pra uma parede branca e já pensa em sexo? Então, sou eu.

Alguns encontros são como acertos na loteria, uma raspada de sorte naquelas cartelas da banca ou um prêmio despretensioso depois de um bingo. Não, sexo e amor não podem ser encarados como jogos de azar, mas as analogias estão aí pra isso

Vamos lá: quero te dar. Eu poderia deixar isso explícito num olhar, num gesto meio recatado, mas correria o risco de você se fazer de desentendido. 

Eu olho pra sua boca e penso em mil coisas para fazer com ela. Entre sentar, chupar e beijar, eu fico com todas as opções, então a única certeza que eu tenho é que você vai ficar com ela bem anestesiada de tanto eu te usar. 

Você me encaminha esses áudios de propósito, né? Eu sei. Sei que você faz esse sussurro, essa coisa sexy, uma pegada de "tô rouco de tanto cantar no trânsito". É por querer.

Só de lembrar eu me molho toda. Fico rindo sem graça imaginando que as pessoas ao meu redor conseguem ver, mas essa é uma das vantagens de ser mulher: ninguém sabe que eu tô excitada.

Ele não diz que me ama, mas eu também não quero. Quer dizer, já quis. A história é meio longa, mas hoje eu me contento com a maior verdade que ele me diz: aquele pau duro apontado na minha direção e o tesão explodindo enquanto a gente transar gostoso. 

Cospe ou Engole?", ele me perguntou. Eu só abri a boca e esperei o gozo. Eu gosto. De engolir. 

Pelos meus cálculos, a astrologia já definiu faz tempo que nossos signos combinam. Ou pelo menos nossos corpos que, na real, não tem escrito na testa exatamente em qual casa estão os ascendentes, os planetas ou todos os defeitos que você tem e justifica por conta do mapa astral. Relaxa, eu também faço isso.

Aos que guardam sua paixão sem conseguir dizer nada, uma dica: tentem. Somente a tentativa será capaz de dizer se dá pé ou não, se é ilusão ou não, se é recíproca a vontade ou não.

Tudo bem, eu te dou o tempo. Todo tempo. Na minha sincera opinião, chegar ao extremo de tomar essa decisão é admitir que acabou, mas não ter coragem de pôr um fim.

Chupem, pessoas, com gosto.

Com vontade.

Babem, cuspam, dêem um jeito de salivar naquele órgão maravilhoso que vocês estão admirando.

Eu nunca fui muito certo. Entre os amigos eu era conhecido por não me apegar. Solteiro, sem dever porra nenhuma a ninguém, eu vivia minha vida. Eu era meio babaca? Talvez.

As estatísticas não mentem: 10 em cada 10 dentistas recomendam a sua boca na minha. Teu corpo no meu corpo já é algo que massoterapeutas recomendam uma vez que cada puxão de cabelo, aperto nas coxas, massagem no clitóris e aquela pegada gostosa na hora da sentada podem relaxar uma pessoa por completo.

Eu gosto tanto de foder com você que só aceitaria um ménage com teu clone.

Isso não tem nada a ver com não ter provado outros gostos e ter adorado outros sexos.