ESTRELAS

(Sara Lemos)

.

Quem me dera, que as minhas constelações colidissem com as tuas.

Se eu pudesse fazer um pedido, esse seria.

 

Que em lençóis brancos, meu  corpo encontrasse com o teu.

Desejo que queima e arde.

Quente e latente, ele se faz aqui dentro tão presente.

 

Uni-versos soltos, traduzindo tudo aquilo que eu sinto.

Ser, sentir, prazer, alimento e alento.

 

Que tento. O brilho que é, quando ela passa no céu, pequenos meteoritos que se incendeiam na ionesfera, trazem pra minha estratosfera. A bela e a fera. Mostrando o azul do céu. 

 

Feroz, audaz, perspicaz...nasce, brilha queima.

Queima o desejo, queima a carne, que brilha e esquenta, imaginando um encontro de olhares.

 

Trás pro meu luar, fases, me faz encarar as minhas fases, cheia, minguante, nova e crescente. 

 

É inefável e inebriante. Sentir todo esse calor dilacerante, que parte a minha carne, "flor de azeviche" quando você pinta tinta nessa tela cinza.

 

Cometa que passa, desacomedido, nas medidas corretas, pra quem olha pra cima na hora certa.

Guardei meu pedido. Será que vai ser ouvido?

 

Estrelas cadentes, no céu do meu  corpo. Leva pro cosmos a poeria do desejo, de pintar meu corpo no dele.